Sou Corretor de Imóveis

Facebook Sou Corretor de ImoveisTwitter Sou Corretor de ImoveisIn Sou Corretor de ImoveisYoutube Sou Corretor de ImoveisNewsLestter Sou Corretor de Imoveis

Facebook Sou Corretor de ImoveisTwitter Sou Corretor de ImoveisIn Sou Corretor de ImoveisYoutube Sou Corretor de ImoveisNewsLestter Sou Corretor de Imoveis

Blog Sou Corretor de Imóveis

19
Abr2014

Os dois sentidos do verbo “acusar”

 

Observe o exemplo:

Romário acusa traição de Teixeira e diz não se ver mais como político

O verbo “acusar”, de acordo com a construção sintática em que aparece, pode mudar de significado. Como termo jurídico, é transitivo direto e seu complemento é um termo que indica “pessoa” (acusar alguém). Nessa acepção, admite ainda o segundo complemento (indireto, introduzido pela preposição “de”), que se refere ao crime (acusou o deputado de peculato).

Para atribuir característica negativa a alguém, também se usa o verbo “acusar”, em construções do tipo “acusou-o de corrupto”, “acusou-o de covarde” etc.

O mesmo verbo, porém, seguido de objeto direto que não seja “pessoa”, ganha outro sentido. É o que observamos em “o exame acusou a presença de nódulos nos gânglios” ou “os cabelos brancos acusavam-lhe a idade” (em que o pronome “lhe”, grosso modo, tem o valor do possessivo “sua”, com o sentido de “acusavam sua idade”). Nesses casos, “acusar” significa “revelar”, “tornar conhecido”.

Feita a distinção, convém observar com cuidado a manchete que epigrafa este texto. Afinal, Romário acusa traição de Teixeira ou acusa Teixeira de traição? São coisas diferentes.

Ao dizer que “Romário acusa traição de Teixeira”, o redator quer dizer que Romário revela traição de Teixeira, ou seja, de certa forma, concorda com Romário sobre ter havido, de fato, traição (a notícia é a revelação). Se dissesse que Romário acusa Teixeira de traição, estaria atribuindo o uso do termo “traição” a Romário. A diferença é sutil, mas existe.

Embora não seja o foco deste boletim, convém observar que a segunda parte do título (“e diz não se ver mais como político”) não condiz com aquilo que o texto noticia, pois, do modo como está escrito, o leitor entende que, hoje, Romário já não se vê como político, mas, no texto, ficamos sabendo que ele não se vê como político no futuro, ao término do mandato que ora exerce.

Nossa língua, como se vê, é cheia de sutilezas! Fique atento, amigo corretor!

Fonte: UOL Educação

 

Ler 25 vezes Última modificação em Quinta, 17 Abril 2014 20:38

Sou Corretor de Imóveis

SEJA UM PARCEIRO

Se sua empresa deseja falar com a comunidade de Corretores de Imoveis de todo Brasil, entre em contato conosco, podemos elaborar um projeto personalizado para atender suas necessidades. Saiba Mais

ENTRE EM CONTATO

  • Av. Ibirapuera, Nº2120
  • Cep: 04028-001, Conj. 71
  • Bairro Moema, São Paulo
  • +55 11 9899-4399